Direitos Já! e Campanha Fora Bolsonaro convocam atos pró-impeachment - Rádio PC do B

Direitos Já! e Campanha Fora Bolsonaro convocam atos pró-impeachment

 

Relatório final da CPI da Covid deve influenciar as próximas mobilizações

Os próximos atos pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro já têm datas marcadas. Nesta semana, o movimento Direitos Já! Fórum pela Democracia vai promover duas atividades: um ato presencial pelo Dia Internacional da Democracia, nesta quarta-feira (15), em São Paulo, e o 2º Ato Internacional do Direitos Já!, em 18 e 19 de setembro.

Por sua vez, a Campanha Fora Bolsonaro – que realizou cinco grandes manifestações nacionais desde maio – convocou a sexta rodada de protestos para 2 de outubro. De acordo com os organizadores da campanha, a próxima mobilização vai fortalecer “a pressão pelo fim deste governo genocida e criminoso, responsável pelo desemprego, fome, inflação, miséria e a morte de quase 600 mil pessoas”.

O sexto ato deve refletir também os impactos do relatório final da CPI da Covid-19, que deve ser divulgado nos próximos dias. A Campanha Fora Bolsonaro é composta pelas Frentes Brasil Popular e Povo sem Medo, com o apoio de partidos políticos e do Fórum das Centrais Sindicais.

No caso do ato do Direitos Já!, a marca será a representatividade. Segundo o coordenador do movimento, Fernando Guimarães, a programação no dia 15 terá a presença de dirigentes e lideranças de ao menos 15 partidos (Cidadania, DEM, MDB, PCdoB, PDT, PL, Podemos, PSB, PSD, PSDB, PSL, PSOL, PT, PV e Rede). A senadora Simone Tebet (MDB-MS), o líder da Oposição na Câmara dos Deputados, Alessandro Molon (PSB-RJ), as presidentas do PCdoB, Luciana Santos, e do PT, Gleisi Hoffman, e o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta (DEM) marcarão presença.

Em 7 de setembro, logo após as declarações à margem da lei de Bolsonaro nos atos convocados por seu governo em Brasília e São Paulo, o Direitos Já! passou a defender o impeachment do presidente. “Ficou claro que o Bolsonaro cruzou o Rubicão e não tem mais condições de governar. Ele usa o Palácio do Planalto como bunker do golpe”, afirma ao Vermelho Fernando Guimarães.

Na visão do movimento, embora Bolsonaro já tivesse cometido “inúmeros crimes de responsabilidade”, sua situação ficou insustentável depois que o presidente “passou a enfrentar abertamente as instituições”, em especial o STF (Supremo Tribunal Federal). “Ele só não tentou algo ainda porque não reuniu condições, mas já rasgou a Constituição”, afirma o coordenador do Direitos Já!.

“Entendemos que o processo político cobra uma presença nas ruas – uma presença de toda a sociedade, de todos os segmentos, uma ampla construção, sem disputa de protagonismo. É um chamamento coletivo em nome da luta antifascista”, agrega Fernando. “Que seja um ato com uma potência de representar o Brasil. A melhor forma de construir isso é juntando todo mundo, dividindo responsabilidades, somando esforços

Já o Ato Internacional reunirá “artistas, jornalistas, personalidades estrangeiras, políticos, religiosos, representantes de entidades LGBTI, de negros e indígenas, entre outros”. A atividade será virtual e deve se estender por 15 horas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Anterior Manifestações do domingo (12) unem diferentes forças contra Bolsonaro
Próximo Post Ao vivo: CPI ouve Marconny Faria, lobista da Precisa Medicamentos